You are currently viewing A história por trás do Pix no Brasil

A história por trás do Pix no Brasil

Certamente, você já está familiarizado e, provavelmente, utiliza o Pix, um método de pagamento que transformou a forma como os brasileiros realizam transferências bancárias em seu cotidiano. No entanto, você está a par da história que culminou no desenvolvimento desse sistema no Brasil, alcançando até mesmo os cassinos que agora oferecem opções de pagamento via Pix?

Neste artigo, apresentaremos toda a linha do tempo por trás desse sistema de pagamento instantâneo genuinamente brasileiro. Desvendaremos os eventos que levaram a sua criação e exploraremos como os cassinos online incorporam esse meio de pagamento para proporcionar maior conveniência aos apostadores. Não deixe de conferir!

A história do Pix

O serviço Pix foi oficialmente lançado em 5 de outubro de 2020, marcando a autorização para o cadastramento de chaves, e entrou em pleno funcionamento em 16 de novembro do mesmo ano. No entanto, entre a concepção da ideia e sua implementação completa, transcorreram pelo menos 4 anos.

O ponto de partida para o desenvolvimento do Pix remonta ao final de 2016, quando os servidores do Banco Central do Brasil (BACEN) elaboraram um relatório destacando os benefícios de um sistema de pagamento instantâneo. Inspirado no Zelle, um sistema de pagamento privado nos Estados Unidos que possibilita transferências rápidas entre contas bancárias, o modelo buscava estabelecer um sistema gratuito de pagamento instantâneo de abrangência nacional. O objetivo era desburocratizar as transações bancárias, promovendo eficiência e inclusão nos meios de pagamento digitais.

As discussões ganharam amplitude no ano seguinte, resultando na criação do Grupo de Trabalho chamado Pagamentos Instantâneos, no âmbito do BACEN, em maio de 2018. Em dezembro do mesmo ano, o órgão divulgou um comunicado estabelecendo os requisitos fundamentais para o ecossistema de pagamentos instantâneos brasileiro. O projeto passou por revisões em agosto de 2019, estabelecendo, por exemplo, que as chaves dos usuários poderiam ser o telefone celular, e-mail e CPF/CNPJ.

Em 19 de fevereiro de 2020, o BACEN oficializou o nome Pix para o novo sistema de pagamento instantâneo brasileiro. Em abril, uma consulta pública foi lançada para que a população contribuísse com sugestões ao projeto. Finalmente, o sistema entrou em operação em 16 de novembro de 2020, registrando mais de 71 milhões de chaves Pix logo em seu lançamento.

O Pix nos cassinos online

A ascensão do Pix coincidiu com o surgimento das casas de apostas online no Brasil. A partir de dezembro de 2018, cassinos online e plataformas de apostas esportivas começaram a operar no país, aproveitando uma brecha na Lei n° 13.756/2018, que legalizou as apostas de quotas fixas.

À medida que o Pix ganhava popularidade, diversas casas de apostas passaram a adotar esse método de pagamento. Atualmente, a maioria dos sites de apostas oferece a facilidade do Pix, proporcionando maior conveniência aos jogadores em seu cotidiano.

No entanto, é importante notar que o uso do Pix em sites de apostas difere um pouco de uma transação Pix convencional. Em geral, esses sites aceitam apenas a chave Pix vinculada ao CPF, uma medida destinada a aumentar a segurança, inibindo atividades criminosas e apostas realizadas por menores de idade.

Adicionalmente, os saques via Pix nem sempre são instantâneos. Após a solicitação de retirada, as casas de apostas podem levar alguns minutos ou até mesmo 1 ou 2 dias úteis para processar a transação.

Embora o uso do Pix como meio de pagamento seja sempre gratuito, alguns sites de apostas podem cobrar taxas para processar a transação. No entanto, isso é incomum, e na maioria das situações, os usuários não terão custos adicionais ao realizar saques. Assim, o Pix está cada vez mais consolidado nos sites de apostas, destacando-se como o método mais prático e eficiente em diversas circunstâncias.

Conclusão: o Pix veio para ficar

A ascensão do Pix coincidiu com o surgimento das casas de apostas online no Brasil. A partir de dezembro de 2018, cassinos online e plataformas de apostas esportivas começaram a operar no país, aproveitando uma brecha na Lei n° 13.756/2018, que legalizou as apostas de quotas fixas.

À medida que o Pix ganhava popularidade, diversas casas de apostas passaram a adotar esse método de pagamento. Atualmente, a maioria dos sites de apostas oferece a facilidade do Pix, proporcionando maior conveniência aos jogadores em seu cotidiano.

No entanto, é importante notar que o uso do Pix em sites de apostas difere um pouco de uma transação Pix convencional. Em geral, esses sites aceitam apenas a chave Pix vinculada ao CPF, uma medida destinada a aumentar a segurança, inibindo atividades criminosas e apostas realizadas por menores de idade.

Adicionalmente, os saques via Pix nem sempre são instantâneos. Após a solicitação de retirada, as casas de apostas podem levar alguns minutos ou até mesmo 1 ou 2 dias úteis para processar a transação.

Embora o uso do Pix como meio de pagamento seja sempre gratuito, alguns sites de apostas podem cobrar taxas para processar a transação. No entanto, isso é incomum, e na maioria das situações, os usuários não terão custos adicionais ao realizar saques. Assim, o Pix está cada vez mais consolidado nos sites de apostas, destacando-se como o método mais prático e eficiente em diversas circunstâncias.

Antonio Pereira

Antonio Pereira é um profissional experiente, com mais de uma década de experiência no dinâmico setor de cassinos. Como especialista em conteúdo, ele aprimorou suas habilidades em uma gama diversificada de funções, contribuindo significativamente para o crescimento e a inovação do setor. O amplo conhecimento de Antonio abrange várias facetas do mundo dos cassinos, desde estratégias de jogos até tendências do setor. Com um histórico comprovado de mais de 10 anos, ele continua a ser um ativo valioso, oferecendo insights que combinam um profundo entendimento do negócio com uma paixão por impulsionar a excelência no setor de cassinos.